sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Senhor, queremos celebrar o vosso nome glorioso!

Jesus retira a agitação do nosso coração!

Permitamos que Jesus purifique "o templo" que nós somos, tire o verdadeiro rebuliço, a agitação que há dentro de nós. "Naquele tempo, Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os vendedores. E disse: Está escrito: 'Minha casa será casa de oração'" (Lucas 19,45-46).
O templo é um lugar sagrado, e o sagrado é o lugar da presença de Deus. É o local do nosso encontro com o Divino e do nosso encontro com o Senhor. Vamos ao templo para nos encontrar com Deus, e para que o nosso ser volte-se para Ele. 
Não podemos deixar de nos encontrar com Deus, e nem deixarmos de sermos revigorados e transformados por Ele, porque a nossa casa é casa de oração, é o lugar do encontro com Deus.
Quando Jesus expulsa os vendedores do templo, está expulsando, na verdade, aquilo que impede o templo de ser o lugar de oração. O Jesus que expulsa os vendedores do templo, é aqu'Ele que expulsa de nós, aquilo que deixa o templo (nós) agitados. Percebemos quando vamos para uma feira ou a um comércio, que eles são lugares de agitação: as negociações, as vendas; alguns gritando para lá e para cá; outro oferecendo a sua oferta imperdível.
Dentro do nosso interior há uma verdadeira agitação, um verdadeiro ”comércio”. Há rebuliços dentro de nós, na nossa afetividade; há preocupações: materiais, econômicas, financeiras que causam verdadeiros tumultos dentro de nós.
Permitamos que Jesus, purifique esse templo que somos nós, tire esse verdadeiro rebuliço, essa agitação que há dentro de nós, Retire o que chamamos de preocupações demasiadas, exageradas com as coisas da vida.
Precisamos expulsar, com a autoridade de Jesus, as confusões mentais, espirituais, as agitações que criamos dentro de nós, a vontade que temos de responder, de resolver as coisas de uma vez só, criando uma confusão em nós.
O templo é o lugar da serenidade, da paz interior, é o local onde o nosso ser se envolve em Deus, não é só o "templo igreja". A todo tempo a igreja é o lugar da presença de Deus. Precisamos permitir que, Jesus expulse de nós, o que não nos permite sermos homens e mulheres de oração. Não conseguimos orar de verdade, estamos sempre muito agitados, preocupados, com muitas coisas para fazer, e quando paramos para orar parece que o mundo desce até nós.
Peça ao Senhor: "Purifica Senhor, renova, tira do meu coração toda e qualquer agitação, perturbação, inquietação, excessos de vaidades e coisas que perturbam o meu interior, para que o meu ser, o meu coração, tornem-se cada vez mais, um templo vivo para se encontrar Contigo, com a Sua graça".
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (24/11/17)

Os templos são lugares de oração, de silêncio e prece, de ritos de salvação; de dialogar com Deus mais do que falar sobre Deus. Às vezes, deixamos tanta conversa entrar em nossos templos, que ao final de uma celebração temos a sensação de que não rezamos. Trocamos muitas ideias, conversamos sobre muitas coisas e é como se Deus tivesse ficado na qualidade de espectador, quase ausente, na plateia. Deus é o nosso interlocutor, Ele está no meio de nós e nós somos uma assembleia de povo convocado, presidido por um sacerdote para celebrar um rito de salvação. Portanto, somos todos uma assembleia, voltada para Deus, o nosso Salvador. (Lc 19,45-48)
Pe. Joãozinho, Scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Sexta-feira da 33ª semana do Tempo Comum

A Igreja recorda hoje a memória de Santo André Dung Lac e companheiros, presbíteros, mártires vietnamitas, séc. XVIII e XIX.

Evangelho (Lc 19,45-48)

Naquele tempo, Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os vendedores. E disse: "Está escrito: 'Minha casa será casa de oração'. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões". Jesus ensinava todos os dias no Templo. Os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os notáveis do povo procuravam modo de matá-lo. Mas não sabiam o que fazer, porque o povo todo ficava fascinado quando ouvia Jesus falar.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 19, 45-48
Existem muitas pessoas que se vangloriam do fato de participar ativamente da Igreja, possuir ministérios ou ter um cargo importante na comunidade eclesial. Mas infelizmente, existem pessoas que usam do fato da pertença na comunidade para substituir as relações de serviço por relações de poder, para dominar, oprimir, buscar promoção pessoal e desvalorizar as outras pessoas que fazem parte da comunidade. A religião para essas pessoas é uma forma não de adorar ao Deus vivo e verdadeiro, mas sim de promover o culto a si próprio e buscar a satisfação dos seus próprios interesses. A esses diz Jesus: "sofrerão a mais rigorosa condenação". 

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

A todos que procedem retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

#minisermao (23/11/17)

As lágrimas de Deus refletem as tragédias provocadas pelo mau uso da liberdade que Ele nos deu. Podemos ser vítimas de nossas escolhas erradas. Naquele dia Jesus estava entrando em Jerusalém e lá de cima olhou para a cidade e chorou e disse: "Ah, Jerusalém, que matas os profetas! Não estás enxergando o que te pode trazer a vida, a salvação, a solução dos teus problemas. Se continuares assim, vai ser destruída." Quantos pais e quantas mães tem lágrimas sobre as escolhas erradas de seus filhos; lamentos diante de erros iminentes. "Ah! Meu filho, se você soubesse o que vai te acontecer..." Transformemos as lágrimas em prece. (Lc 19,41-44)
Pe. Joãozinho, Scj.

Jesus é solidário com o nosso choro!

O choro de Jesus por Jerusalém é o mesmo de muitas mães pelos filhos. É o choro de muitas mulheres pelos seus casamentos. "Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar" (Lucas 19, 41).
Jesus amava Jerusalém, a sua cidade, Ele nasceu ali. Veja bem, Jerusalém foi a cidade construída pelo rei Davi, é o centro da fé de toda Israel. É onde está o templo, a imagem da Jerusalém Celeste.
Jesus amou sua cidade, mas não refiro aos prédios, edifícios, mas o Seu povo, os que ali vivem. Jerusalém com tudo o que era: com o povo, os governantes, chefes, líderes religiosos, e esses (os líderes) não foram capazes de acolher Jesus.
Se Jesus veio para apresentar a salvação a partir de Jerusalém, a cidade não O reconheceu, desprezou e matou o seu Rei, o seu Senhor.
O choro de Jesus por Jerusalém é o mesmo de muitas mães, que choram pelos seus filhos. É o choro de muitas mulheres pelos seus casamentos. É o choro de muitos de nós, quando investimos nossas vidas na evangelização, no bem e, frustramo-nos com aquilo que fazemos. Pois, não colhemos os melhores resultados.
Somos solidários com o choro de Jesus, e Ele é solidário com o nosso choro, com o clamor de muitos de nós: a mãe que sofre, o outro que passa por uma situação difícil na vida, aquele que sofre porque investiu a sua vida num relacionamento e frustrou-se, desgostou-se com aquilo.
Não somos os únicos frustrados no mundo; a decepção também faz parte da vida. O que depender do outro, compete somente a ele. Na vida a dois, a mulher dá tudo de si, e para dizer que não estou olhando somente para o lado das mulheres, às vezes, o homem dá tudo de si, mas se a outra parte não corresponde, fazer o quê?
Os pais dão o melhor de si, na criação dos filhos; esses crescem e, depois, tomam outro caminho. O que fazer? Não podemos ter medo ou receio de chorar ou lamentar diante das frustrações que temos na vida.
O Jesus que chorou e se frustrou diante de Sua cidade, porque ela não reconheceu o tempo da visita de Deus, é também,o choro que temos de ter quando não reconhecemos, não acolhemos as visitas que Deus faz em nossa vida.
Jesus foi consolado pelo Pai, ainda que tenha experimentado o féu mais amargo, a amargura da cruz, Ele teve todo o consolo de vida. Sejamos consolo, conforto e presença de Deus diante das agonias que muitos enfrentam, diante das circunstâncias da vida que não deram certo ou que causaram frustração.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quinta-feira da 33ª semana do Tempo Comum - A Igreja recorda hoje a memória de São Clemente I, Papa, mártir, +102, São Columbano, abade, +615

Evangelho (Lc 19,41-44)

Se tu também compreendesses hoje o que te pode trazer a paz!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 19,41-44.

Naquele tempo, quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar. E disse: "Se tu também compreendesses hoje o que te pode trazer a paz! Agora, porém, isso está escondido aos teus olhos! Dias virão em que os inimigos farão trincheiras contra ti e te cercarão de todos os lados. Eles esmagarão a ti e a teus filhos. E não deixarão em ti pedra sobre pedra. Porque tu não reconheceste o tempo em que foste visitada".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 19, 41-44 
A cidade de Jerusalém abre as suas portas para Jesus, mas não abre o seu coração. Não aceita as suas palavras e rejeita a sua doutrina, pois os seus olhos estão voltados para outra direção, a direção que a levará até a destruição e a morte. É necessário que abramos o nosso coração e reconheçamos que somos visitados pelo Deus da Vida e que rejeitar essa visita significa para nós trilharmos os caminhos da morte, resultado de uma vida de quem apenas está preocupado em olhar para seus interesses mesquinhos e não para os verdadeiros bens que são destinados a quem acolhe o Senhor e vive segundo os valores do Evangelho.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Ao despertar me saciará vossa presença, ó Senhor!

Só alcançamos a graça de Deus se corremos atrás!

Não faltará a graça de Deus para quem corre atrás, com o pouco ou o muito que tem. "As cem moedas renderam cinco vezes mais. O homem disse também a este: 'Recebe tu também o governo de cinco cidades'" (Lucas 19,18-19).
A parábola que escutamos, hoje, conta-nos que dez empregados receberam cem moedas de prata do patrão e ele disse: "Procurem negociar até que eu volte. Cuide das moedas que vocês receberam e as multipliquem".
Lembro-me de pessoas que tinham o velho hábito, algumas ainda têm, de colocar o dinheiro debaixo do colchão, porque não confiam no banco ou não sabem fazer uma aplicação para que renda alguma coisa, então, preferem deixar debaixo do colchão.
Antigamente, tínhamos o fenômeno da inflação desenfreada, galopante: um dinheiro que valesse um real, passavam-se alguns meses não valia mais nada. Então, esse era colocado debaixo do colchão, se fôssemos pegá-lo depois de 10 ou 20 anos não teríamos nada, pois ele só serviria para museu.  O dinheiro recebido foi simplesmente "enterrado".
Pode ser uma comparação monetária e econômica, já que, em muitas situações a economia rege as relações humanas, entretanto, Jesus está dizendo com essa parábola de que forma devemos administrar a graça, os dons, os talentos que recebemos de Deus.
Podemos ser displicentes, negligentes e, simplesmente, pegarmos a graça de Deus e colocá-la debaixo do colchão: "Está guardada. Ninguém mexe. Não estou correndo risco. Só eu mexo, está debaixo do meu colchão". Estamos dormindo em cima dos nossos talentos, estamos dormindo em cima da graça de Deus e não a estamos levamos, a crescer e a multiplicar.
Não me refiro somente as coisas religiosas, Deus quer que todos os nossos talentos sejam multiplicados, sejam religiosos ou não. É tão bonito ver quando uma pessoa, começa fazendo uma coisa pequena e depois a transforma num dom maior.
Vi pessoas que começaram do zero vendendo um picolé aqui, um doce acolá; depois serem capazes de ter uma indústria, uma fábrica. Outras, que não tinham a capacidade para ler e nem escrever, desdobrarem-se para aprender, e tornarem-se grandes médicos e profissionais da vida.
Não importa em que ponto você se encontra da sua própria vida, o que importa é não ficarmos escondendo dinheiro debaixo do colchão; escondendo o tesouro, o dom e o talento, precisamos correr atrás.
Diante de uma onda de desânimo que está por ai, muitos dizem: "Não consigo emprego. Não consigo nada na vida". Conseguiremos se a chave que nos move for a persistência, a insistência, a luta. É correr atrás.
Não faltará a graça de Deus para quem corre atrás, com o pouco ou o muito que tem. Vemos coisas maravilhosas, com pessoas que não se entregam ao desânimo, mas que correm atrás.
Se corrermos atrás para melhorarmos na vida, a graça de Deus nos acompanhará onde quer que estejamos.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (22/11/17)

Somos ecos criativos do Criador. A criatividade é um dom maravilhoso para criar o novo; é um sopro de Deus em nós! É impressionante, aquela música não existia e depois daquele momento de inspiração passa a existir e todos cantam, é nova, é inédita, é criativa. Aquele quadro foi pintado há 300 anos e é novo inusitado. Aquela arquitetura, até mesmo aquela comida, a arte culinária criou o novo e você diz: "Ninguém cozinhava como minha vó, porque ela tinha uma criatividade incrível na cozinha." A criatividade é o sopro de Deus Criador em nós. (Lc 19,11-28)
Pe. Joãozinho, Scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quarta-feira da 33ª semana do Tempo Comum - A Igeja recorda hoje a memória de Santa Cecília, virgem, mártir, séc. III ou IV

Evangelho (Lc 19,11-28)
 
Porque tu não depositaste meu dinheiro no banco?
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 19,11-28.

Naquele tempo, Jesus acrescentou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém e eles pensavam que o Reino de Deus ia chegar logo. Então Jesus disse:
"Um homem nobre partiu para um país distante, a fim de ser coroado rei e depois voltar. Chamou então dez dos seus empregados, entregou cem moedas de prata a cada um e disse: 'Procurai negociar até que eu volte'.
Seus concidadãos, porém, o odiavam, e enviaram uma embaixada atrás dele, dizendo: 'Nós não queremos que esse homem reine sobre nós'. Mas o homem foi coroado rei e voltou. Mandou chamar os empregados, aos quais havia dado o dinheiro, a fim de saber quanto cada um havia lucrado. O primeiro chegou e disse: 'Senhor, as cem moedas renderam dez vezes mais'. O homem disse: 'Muito bem, servo bom. Como foste fiel em coisas pequenas, recebe o governo de dez cidades'.
O segundo chegou e disse: 'Senhor, as cem moedas renderam cinco vezes mais'. O homem disse também a este: 'Recebe tu também o governo de cinco cidades'. Chegou o outro empregado e disse: 'Senhor, aqui estão as tuas cem moedas que guardei num lenço, pois eu tinha medo de ti, porque és um homem severo. Recebes o que não deste e colhes o que não semeaste'. O homem disse: 'Servo mau, eu te julgo pela tua própria boca. Tu sabias que eu sou um homem severo, que recebo o que não dei e colho o que não semeei. Então, por que tu não depositaste meu dinheiro no banco? Ao chegar, eu o retiraria com juros'. Depois disse aos que estavam aí presentes: 'Tirai dele as cem moedas e dai-as àquele que tem mil'. Os presentes disseram: 'Senhor, esse já tem mil moedas!' Ele respondeu: 'Eu vos digo: a todo aquele que já possui, será dado mais ainda; mas àquele que nada tem, será tirado até mesmo o que tem. E quanto a esses inimigos, que não queriam que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e matai-os na minha frente'". Jesus caminhava à frente dos discípulos, subindo para Jerusalém.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 19, 11-28 
Os dons que temos não nos pertencem, mas sim a Deus, que é o Senhor de tudo, de modo que os dons que recebemos de Deus devem ser ordenados para ele. Sendo assim, não podemos usar os nossos dons, nem mesmo os dons naturais, somente em vista da nossa realização e da nossa promoção pessoal, mas devemos colocá-los a serviço de Deus e dos nossos irmãos e irmãs, pois somente quando o dom se transforma em serviço é que ele é capaz de multiplicar e de produzir frutos em abundância, contribuindo, assim, para que o Reino de Deus cresça cada vez mais no meio dos homens.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

O Senhor se lembrou de mostrar sua bondade!

Precisamos ouvir o Senhor e fazer a Sua vontade!

O discípulo é aquele que escuta, coloca em prática e vive, em sua vida, a vontade do Pai. "Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe" (Mateus 12,50).
No meio de uma multidão, estavam a mãe, os irmãos e os parentes mais próximos de Jesus querendo falar com Ele. Talvez você pensasse assim: "Jesus teria que deixar tudo para falar com seus familiares, para falar com a mãe d'Ele, pois o mais importante são eles". Jesus mostra-nos porque eles são ou não importantes.
Quem é importante no coração de Deus? É aquele que O escuta, aquele que é o seu discípulo, por isso, Jesus diz: "Eis minha mãe e meus irmãos". É como se Ele dissesse: "São vocês também, porque estão parados aqui, para me ouvirem. Felizes são vocês que estão dispostos a me ouvir e a partir daí fazem a vontade de Deus".
São duas etapas fundamentais no seguimento de Jesus, a primeira delas é: ouvi-Lo, dar atenção a Ele. Uma pessoa só é importante para a outra quando lhe dá atenção e a escuta. O filho é importante para os pais, então, esses param tudo o que estiverem fazendo, para escutá-lo e dar atenção às necessidades do filho deles. Um pai e uma mãe negligenciam quando: não são mais capazes de escutar; um casal, marido e mulher, serão negligentes um com o outro, quando não tiverem mais capacidade de escutar. É importante saber ouvir; dar atenção ao outro é essencial.
Um filho, torna-se um péssimo filho, quando não escuta mais os seus pais. Ele pode dizer: "Eu amo muito a minha mãe", entretanto, se não a escuta, não a ouve, não lhe dá atenção; o amor dele é questionável.
O discípulo é aquele que escuta, portanto, não basta dizer: "Eu sou parente de Jesus", se não O escutamos e não damos atenção a Ele, agindo assim, não somos discípulos d'Ele. O discípulo é aquele que escuta e coloca em prática e vive, na sua vida, a vontade do Pai.
O que é a vontade do Pai? É aquilo que nós escutamos quando paramos para ouvi-Lo. Por que, muitas vezes, não colocamos em prática a vontade de Deus? A resposta é simples: não paramos para escutá-Lo.
Temos a alegria de celebrarmos, hoje, a apresentação de Nossa Senhora ao templo. Maria apresentou, inteiramente, a sua vida, desde o ventre da mãe d'Ela, para ouvir a Deus e fazer a vontade d'Ele. No entanto, tornou-se a discípula número um, a discípula mais fiel. Não foi somente seu ventre que gerou Jesus, mas foi toda a sua vida que O escutou, e colocou em prática o desejo do Pai.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (21/11/17)

A família de Jesus ultrapassa o sangue da carne pois é formada por irmãos unidos pelo sangue da Cruz. Maria foi a primeira cristã! Maria permaneceu fiel de Nazaré até a cruz. E também nas pregações de seu Filho Maria estava lá e um dia alguém foi dizer ao Mestre: "A Tua mãe e teus parentes estão aqui e querem te ver." E Jesus perguntou: "Quem é minha mãe? Quem são os meus parentes? São aqueles que fazem a vontade de Deus." Com isso Ele queria dizer "Minha mãe não está aqui só porque o Filho dela é o pregador; ela está aqui por amor, ela está aqui para ouvir a pregação. Mais do que mãe, ela é discípula e missionária; ela é a primeira cristã. (Mt 12,46-50)
Pe. Joãozinho, scj