segunda-feira, 24 de julho de 2017

#minisermao (24/07/17)

Cuidado para não espetacularizar a fé; milagres não são shows de magia; são ações generosas e gratuitas de Deus. Os mestres da lei se aproximaram de Jesus e pediram um milagre. Disseram até mesmo: "Se fizeres este milagre, acreditaremos em Ti." Era um jogo e o milagre não é moeda de troca, não é uma resposta providente de um Deus que recebeu algum tipo de benefício, como por exemplo uma prece, ou um louvor, ou um sacrifício. Toda resposta de Deus é gratuita, o amor Dele não tem preço. Por isso, quando transformamos a fé em um espetáculo, caímos na troca e matamos a lógica da graça... e o nosso Deus é cheio de graça. (Mt 12,38-42)
Pe. Joãozinho, Scj.

Os sinais de Deus estão vivos no meio de nós!

Desde a hora em que nos deitamos para dormir até a hora em que nos levantamos para viver, os sinais de Deus estão por toda parte. "Jesus respondeu-lhes: 'Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas'" (Mateus 12,39).
Jesus está chamando a atenção de Sua geração, sobretudo dos Mestres da Lei e fariseus, conhecedores da Lei de Deus, praticantes dos mandamentos do Senhor. Eles exigem, cobram dos outros, pois estão, a toda hora, querendo cobrar algo de Jesus. Na verdade, querem colocá-Lo em uma situação difícil, porque não O souberam acolher.
"Dai-nos um sinal". Jesus é o próprio sinal vivo de Deus no meio de nós. Não coloquemos Deus à prova! Se eles erraram, muitos também erram, no dia de hoje, quando exigem que o Senhor nos dê sinais.
Desde a hora em que nos deitamos para dormir até a hora em que nos levantamos para viver, os sinais de Deus estão por toda parte. Do céu que contemplamos, do sol que podemos, a cada dia, nos privilegiar, a chuva que cai, a beleza da natureza são sinais externos. Quando olhamos para o nosso coração, vemos que a graça e o amor de Deus que nos alcançou.
O perdão e a misericórdia divina nos lavam e purificam. Os sinais de Deus estão vivos e presentes no meio de nós: Sua Palavra, que é anunciada; Seu Corpo e Sangue, que são o nosso alimento; Seu Reino, que se instalou no meio de nós. Nós, no entanto, muitas vezes, somos uma geração má e perversa. É muita maldade e muita perversidade não querer reconhecer Deus nas coisas ordinárias e extraordinários que acontecem em nosso meio.
Temos aquela sede de coisas mais elevadas, queremos milagres, queremos que Deus nos coloque à prova, que nos dê sinais, que Ele prove que nos ama.
"Não, meu Senhor, não precisa dar nenhum sinal para mim, porque o Seu amor me conquistou e ele é a grande prova de que eu preciso para saber o tanto que o Senhor me ama".
Não podemos colocar Deus à prova, exigir que Ele faça isso e aquilo. A única coisa que nós podemos pedir a Ele é que não nos afaste do Seu amor e da Sua misericórdia, pois isso nos basta.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - 2ª - feira da 16ª Semana do Tempo Comum

Evangelho (Mt 12,38-42)

No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 12,38-42.
 
Naquele tempo, alguns mestres da Lei e fariseus disseram a Jesus: "Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti". Jesus respondeu-lhes: "Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas.
Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra. No dia do juízo, os habitantes de Nínive se levantarão contra essa geração e a condenarão, porque se converteram diante da pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas.
No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração, e a condenará, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Mt 12, 38-42 
Nós estamos diante de Jesus, alguém que é muito mais do que Jonas, alguém que é muito mais do que Salomão, mas alguém que só é grande para quem o conhece e acredita nele. Estamos diante de Jesus, o próprio Filho de Deus que se fez homem e veio habitar no meio de nós para nos dar toda sorte de bênçãos e graças que vêm do próprio Deus. Estamos diante daquele que nos revela o Pai e o seu plano de amor. Estamos diante daquele que nos envia o Espírito Santo. Estamos diante daquele que nos envia em missão porque quer que todas as pessoas reconheçam que estão diante dele, possam conhecê-lo melhor e usufruir de tudo de bom que ele nos concede no seu amor.

domingo, 23 de julho de 2017

A misericórdia de Deus transforma o joio em trigo!

A misericórdia de Deus age com paciência, porque Ele espera que o joio se transforme num bom trigo de Cristo. "O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora" (Mateus 13,24-25).
Muitas vezes, perguntamo-nos por que existe o mal no mundo, por que pessoas boas convivem ao lado de pessoas más, por que existe tanta coisa errada ao lado de tantas coisas certas. Isso causa uma certa indignação no meio de nós.
O Pai, verdadeiro e único agricultor, só criou o que é bom, porque Ele é bom. No entanto, aquele que se opõe a Ele e não quer o bem, é mau e veio ao mundo para semear o mal. A verdade é que aqueles que são de Deus se deixaram contaminar pelo joio, e nós somos essa contradição.
Não dá para dizer que eu sou bom e você é ruim. Eu sou uma pessoa boa, eu tenho consciência disso, mas tenho consciência também de que, dentro de mim, existem coisas que não são boas, existem pecados, mazelas, más inclinações, existem coisas para as quais não tive discernimento e acabei fazendo o que era errado, achando que era certo.
Não cometemos erros? Será que você tem aquela pretensão, aquele conceito errado de si mesmo, de que é sempre uma pessoa certa, boa e justa? Não vamos fazer aquela comparação: “Eu não sou o bandido, não sou um ladrão”. Ora! Dentro de nós há sementes do mal, há coisas que nós fazemos que não sei se é maior ou menor do que alguém. Aqui, não faço um juízo de comparação, mas é uma advertência para nós esse Evangelho de hoje. Se Deus fosse levar em conta os critérios que nós temos, separaria logo o que é mau do que é bom, o ruim daquilo que é errado. Desculpe-me, mas pouquíssimos de nós escaparíamos.
A misericórdia de Deus age com paciência, porque Ele espera que o joio, que somos nós, transformemo-nos num bom trigo de Cristo.
Nós fomos errados um dia, fomos pecadores, e a graça de Deus nos alcançou. Queremos que essa mesma graça alcance tantos que estão longe e distantes, porque queremos que essa mesma graça transforme o joio que há dentro de nós.
A paciência e a misericórdia de Deus estão nos transformando, dia a dia, quando permitimos que Ele nos transforme. Então, tenhamos paciência e misericórdia, trabalhemos não para eliminar o mal, mas para não permitir que ele reine em nós. No mundo em que estamos, semeemos a boa semente, o bom trigo de Deus, porque só no Reino d'Ele o joio se transforma em trigo.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

‪#minisermao (23/07/17)

Se você faz o bem prepare-se para a ação dos que querem destruir sua obra; pague este mal com mais ações boas. Quando percebemos ações de destruição, de inveja e de maldade que procuram destruir o bem que fizemos, nossa primeira reação é reclamar, é sentir aquela dor interior de quem foi injustiçado. Esta já é uma reação de mal, tratamos o mal, com o mal e entramos no círculo vicioso da maldade. Não entre nessa. Se alguém semear joio na sua plantação de trigo, não arranque o joio, plante mais trigo e o joio perderá a luta para o bem. (Mt 13,24-43)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - 16º Domingo do Tempo Comum

Evangelho (Mt 13,24-43)

Deixai crescer um e outro até a colheita.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 13,24-43.

Naquele tempo, Jesus contou outra parábola à multidão: "O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: 'Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?'
O dono respondeu: 'Foi algum inimigo que fez isso'. Os empregados lhe perguntaram: 'Queres que vamos arrancar o joio?'
O dono respondeu: 'Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e amarrai-o em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!'"
Jesus contou-lhes outra parábola: "O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos".
Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: "O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado".
Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, para se cumprir o que foi dito pelo profeta: "Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo".
Então Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: "Explica-nos a parábola do joio!"
Jesus respondeu: "Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifeiros são os anjos. Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: o Filho do Homem enviará seus anjos, e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; e depois os lançarão na fornalha de fogo. Aí haverá choro e ranger de dentes.
Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

sábado, 22 de julho de 2017

#minisermao (22/07/17)

O afeto é uma imensa força motivadora; mas tome cuidado para não querer possuir as pessoas; todos passamos um dia. Maria Madalena tinha um grande afeto pelo Mestre Jesus de Nazaré; ficou muito triste, quando O viu naquela cruz e seu coração exultou de alegria, no momento que ouviu aquela voz familiar lhe dizer: "Maria!" Jesus ressuscitado aparecia à Madalena no jardim e ela quis abraçar, ficar com Ele para si e Jesus disse: "Não me retenhas, Eu preciso subir ao céu." Todos nós passamos, não podemos reter as pessoas, segurar as pessoas, ficar com as pessoas para nós. O afeto   às vezes tem essa tendência de apropriação. É preciso afeto com liberdade. (Jo 20,1-2.11-18‬)
Pe. Joãozinho, Scj.

Deixemo-nos envolver pelo amor divino!

O amor divino, quando entra em nós, transforma-nos por dentro e por fora. "Em meu leito, durante a noite, busquei o amor de minha vida: procurei-o, e não o encontrei" (Ct 3,1).
Essa referência ao Livro do Cântico dos Cânticos, na Liturgia de hoje, aplica-se à santa que celebramos: Maria Madalena, a discípula amada, a discípula do amor. Por que ela é discípula amada? Porque o amor de Deus a conquistou, ela foi totalmente envolvida pelo amor divino. Talvez, algumas pessoas queiram parar na Maria Madalena pecadora e especular: "Ela foi prostituta? O que ela fez?".
O que interessa para nós é a vida velha ou a vida nova? De fato, eu não sei lhe dizer quais foram as coisas que Maria Madalena fez na vida, até porque ela não escreveu uma autobiografia e nenhum dos evangelistas ou escritores se preocuparam em fazer isso, mas a Palavra de Deus fez questão de dizer que essa mulher foi transformada pelo amor divino.
Desde o dia em que Jesus deu um sentido à vida de Maria de Magdala, ela nunca mais foi a mesma mulher. Você sabe que "o amor é forte como a morte", nos diz o próprio Livro do Cântico dos Cânticos. O amor é uma força violenta, que entra em nós e nos transforma por dentro e por fora. As paixões humanas fazem isso do lado positivo ou do lado negativo, mas o amor divino, quando entra em nós, transforma-nos por dentro e por fora.
Quando nos encontramos com nosso Amado, Ele se torna o amor da nossa vida, e somos movidos por esse amor.
Maria foi ao encontro do seu Senhor na vida e na morte. Quando Ele estava no sepulcro, ela não foi buscar o corpo enterrado, pois ela mesmo disse: "Eu vim buscar o meu Senhor", porque Ele transformou, deu sentido e iluminou a sua vida.
Ela chorou demasiadamente, porque chegou ao túmulo e não encontrou o Senhor. Esse choro, no entanto, não foi porque Ele havia morrido, mas porque ela queria cuidar do corpo do Senhor. Quando não O encontrou, seu coração desfaleceu. Ela queria, de todas as formas, encontrá-Lo; e quando encontrou o Senhor, estava tão atordoada, que O confundiu com o jardineiro. Mas quando o Senhor a chamou pelo nome "Maria", ela exclamou: Rabôni, meu Senhor, meu Mestre, meu amor, o Senhor da minha vida.
A discípula amada, a primeira testemunha da Ressurreição do Senhor, foi dizer a todos: "Eu vi o Senhor! Eu O encontrei vivo e ressuscitado". Essas palavras são, para nós exemplo e luz do quanto precisamos nos deixar, a cada dia, nos apaixonar, ser tocados e transformados pelo amor de Deus.
Enquanto o amor de Deus não envolve todo o nosso ser e não nos apaixonamos de verdade por Ele, o nosso coração não caminha na direção d'Ele. Amemos, deixemo-nos ser amados e nos transformemos em discípulos amados do Senhor.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

NÃO ME RETENHAS!

A cena comovente do encontro de Maria de Mágdala com Jesus evidencia a mudança de relacionamento entre o discípulo e o Mestre, operada a partir da ressurreição. A nova condição de Jesus exigia um novo tipo de relacionamento.
Maria expressou o carinho que nutria por Jesus nos vários detalhes de seu comportamento. A notícia do desaparecimento do corpo do Senhor deixou-a perplexa. Com isso, perdia um sinal seguro da presença do amigo querido, mesmo reduzido a um cadáver. Sem ele, não teria um lugar preciso ao qual se dirigir quando quisesse prantear a perda irreparável do amigo. Por isso, mesmo que todos tivessem se afastado, ela permaneceu sozinha, à entrada do túmulo, chorando.
Seu diálogo com os anjos ocorreu de maneira espontânea, sem ela se dar conta de estar falando com seres celestes. Só lhe importava saber onde puseram "o meu Senhor". Da mesma forma aconteceu o diálogo com o Ressuscitado. Num primeiro momento, Maria pensou tratar-se de um jardineiro. Demonstrando uma admirável fortaleza de ânimo mostrou-se disposta a ir, sozinha, buscar o cadáver do Mestre para recolocá-lo no sepulcro. Tão logo reconheceu a voz do Mestre, tentou agarrar-se a ele. Ele, porém, exortou-a a mudar de comportamento. Doravante, o sinal de amizade que o Senhor queria dela era que se tornasse missionária da ressurreição. Já se fora o tempo em que podia tocá-lo fisicamente.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - Santa Maria Madalena - Memória


Evangelho (Jo 20,1-2.11-18)

Mulher, por que choras? A quem procuras?
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 20,1-2.11-18

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. Então saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: "Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram".
Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
Os anjos perguntaram: "Mulher, por que choras?" Ela respondeu: "Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram". Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. Jesus perguntou-lhe: "Mulher, por que choras? A quem procuras?" Pensando que era o jardineiro, Maria disse: "Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar".
Então Jesus disse: "Maria!" Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: "Rabuni" (que quer dizer: Mestre). Jesus disse: "Não me segures. Ainda não subi para junto de meu Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus". Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: "Eu vi o Senhor!", e contou o que Jesus lhe tinha dito.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Jo 20, 1-2.11-18

Este Evangelho nos mostra o surpreendente amor que Maria Madalena tinha por Jesus e a consequente experiência que ela faz da presença do Ressuscitado em sua vida, que a levou a exclamar "Mestre" e a segurá-lo a ponto de o próprio Ressuscitado pedir-lhe que não o segurasse, pois ainda não havia subido para junto de Deus. De fato, somente quem ama verdadeiramente a Jesus o reconhece como verdadeiro Mestre e faz a experiência de sua presença viva e amorosa no seu dia a dia. Mas esta experiência necessariamente faz da pessoa um evangelizador. Assim que Maria Madalena fez a experiência do encontro pessoal com Jesus Ressuscitado, foi anunciar esta verdade.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

#minisermao (21/07/17)

Existem regras inúteis criadas apenas para burocratizar. É preciso recuperar o espírito das leis sem legalismo. Certa ocasião os discípulos de Jesus colheram espigas de trigo num dia de sábado, isto era proibido por uma certa interpretação da Lei e Jesus ultrapassa a lei escrita e mostra que o espírito é valorizar a pessoa. O sábado é para o homem e não o homem para o sábado. Nós não vivemos para obedecer leis, as leis existem para organizar o nosso comportamento social e quando as leis se tornam uma opressão, ou quando obedecemos simplesmente por formalismo social, a obediência pela obediência perde qualquer sentido.(Mt 12,1-8)
Pe. Joãozinho, Scj

Deus quer a misericórdia em primeiro lugar!

Tudo o que for observar da Lei de Deus coloque em primeiro lugar a misericórdia e o amor para com o próximo. "Se tivésseis compreendido o que significa: 'Quero a misericórdia e não o sacrifício', não teríeis condenado os inocentes. De fato, o Filho do Homem é senhor do sábado" (Mateus 12,7-8).
Os discípulos de Jesus caminharam em meio à plantação, sentiram fome, arrancaram as espigas de milho, debulharam e começaram a comer. Os fariseus olharam e os repreenderam, não porque estavam comendo, mas porque arrancaram, no dia de sábado, as espigas de milho para comer. Eles queriam, na verdade, chamar à atenção de Jesus, pois não estavam preocupados com a Lei de Deus ou com o coração d'Ele, porque o coração de Deus preocupa-se, acima de tudo, com a criatura que Ele mesmo fez: eu e você.
O coração de Deus é tão misericordioso, que, acima de tudo, está voltado para cuidar de nós. Muitas vezes, somos hipócritas até na vivência da religião, estamos cobrando dos outros que obedeçam mandamentos, que vivam alguma prática, porque não rezam; condenamos as pessoas e não nos preocupamos com o coração delas.
Preocupar-se com o coração das pessoas é saber da vida e da história delas, é saber o que elas passam, o que estão sofrendo. Preocupamo-nos com a fome do mundo? Preocupamo-nos com a doença das pessoas? Preocupamo-nos com o sofrimento do outro?
Não podemos viver uma religião só de preceitos, leis e mandamentos. Não precisamos mudar nenhum preceito da Lei de Deus, pelo contrário, temos de vivenciar o Espírito de toda a Lei de Deus, de todos os mandamentos d’Ele. Não precisamos mudar nenhuma página do Catecismo, porque ele é rico no ensinamento da Doutrina. Não podemos fazer uma religião que apenas explique leis e preceitos, normas, direito canônico, uma religião voltada para dogmas e ensinamentos.
Todos esses ensinamentos que aprendemos da Igreja, como nossa Mãe, têm um valor imenso, único e são caminho de salvação para nós, mas todas as Leis e mandamentos, se não forem revestidos do amor e da misericórdia, não nos salvam. Não pense que, porque cumprimos os mandamentos, não faltamos à Missa, que somos um observante da Lei de Deus.
Tudo o que for observar da Lei de Deus coloque, em primeiro lugar, a misericórdia e o amor para com o próximo. Essas brigas e disputas que existem em redes sociais, nas conversas e discussões humanas, para prevalecer quem sabe mais, quem pode mais, quem está certo, quem tem mais dogmatismo, quem tem mais conhecimento… Jesus não perdeu tempo com essas discussões. Ele gastou Seu tempo para cuidar da pessoa humana no dia de sábado, de domingo, de segunda. Todo dia é dia de salvar e resgatar o ser humano, filho de Deus sofrido, necessitado de salvação, de pão para comer, de cuidado da doença ou enfermidade. É assim que vivemos a Lei de Deus em nossa vida.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - 6ª - feira da 15ª Semana do Tempo Comum


Evangelho (Mt 12,1-8)

O Filho do Homem é senhor do sábado.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 12,1-8.

Naquele tempo, Jesus passou no meio de uma plantação num dia de sábado. Seus discípulos tinham fome e começaram a apanhar espigas para comer. Vendo isso, os fariseus disseram-lhe: "Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!"
Jesus respondeu-lhes: "Nunca lestes o que fez Davi, quando ele e seus companheiros sentiram fome? Como entrou na casa de Deus e todos comeram os pães da oferenda que nem a ele nem aos seus companheiros era permitido comer, mas unicamente aos sacerdotes? Ou nunca lestes na Lei, que em dia de sábado, no Templo, os sacerdotes violam o sábado sem contrair culpa alguma?
Ora, eu vos digo: aqui está quem é maior do que o Templo. Se tivésseis compreendido o que significa: 'Quero a misericórdia e não o sacrifício', não teríeis condenado os inocentes. De fato, o Filho do Homem é senhor do sábado".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Mt 12, 1-8
Existem pessoas que acham que é difícil seguir Jesus por causa da radicalidade das exigências evangélicas, no entanto, essas mesmas pessoas ficam criando uma série de dificuldades a partir de um legalismo ritual, moral e religioso que acabam por fazer do seguimento de Jesus uma causa de sofrimento e de dor e não uma causa de alegria e felicidade de quem descobre os valores que o conduz para a vida eterna. Muitos cristãos vivem colocando proibições e ficam contentes quando podem falar "não" a alguém. De fato, essas pessoas não entenderam o Evangelho de hoje, muito menos o amor que Deus tem para com seus filhos e filhas.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Aprendamos com Jesus a ser manso e humilde de coração!

Aprendamos com Jesus, porque Ele é manso e humilde de coração. "Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso" (Mateus 11,28).
O Mestre Jesus está abrindo Seu coração e voltando-se para nós dizendo: "Venham até mim". Quem de nós não se cansa, não se fadiga nem se decepciona, e passa por tantas situações que nos deixam para baixo? Apenas que nós corremos para os braços errados.
Temos de correr para os braços de Jesus. Ele não só nos acolhe em Seus braços, mas traz para dentro do Seu coração nossas fadigas, nossos cansaços, as situações de opressão que nós passamos na vida; tantas situações que cansam nossa mente e alma, tornam-se um fardo pesado. O fardo de uma mãe, de um pai, de um estudante, de um trabalhador, o fardo da vida humana é pesado quando nós olhamos para ele.
Sem tirarmos o peso das obrigações da vida, é Jesus quem tira o peso dos nossos fardos e nos dá o alívio do Seu coração, da Sua doçura e humildade, para que possamos caminhar.
Façamos isso a cada dia, peguemos todo o peso que está sobre nossa cabeça e nosso coração, para colocarmos no coração de Jesus. Muitos podem pensar: “Só basta colocar ali e Jesus já resolve tudo?”. O primeiro passo é rezar, é entregar, com fé e confiança, mas Ele está dizendo: “Aprendei de mim”. É preciso aprender com Ele, porque, se não aprendermos, ficaremos sempre tropeçando, caindo, machucando-nos, decepcionando-nos e vamos nos cansando da vida. Aprendamos com Jesus a ser manso e humilde de coração.
Dois remédios mais do que necessários e fundamentais para a nossa vida, para as nossas relações humanas e nossa confiança com nós mesmos é a humildade. Nada de sentimento de grandeza, de elevação, de sentir-se super-homem, super-mulher, superimportante, nada de ter um sentimento elevado de si mesmo, de achar que é a pessoa perfeita, que tudo está certo, que tem sempre que conseguir algo.
O humilde sabe reconhecer os êxitos, mas também reconhece seus limites, sabe que o mundo não gira em torno dele; ao contrário, que o mundo é cada dia um trabalho, uma conquista.
Outro remédio é a mansidão de coração, é não deixar o coração se angustiar nem se exaltar, não deixar o coração viver sentimentos que não são apropriados a ele, sentimentos que elevam o coração para lugares que o tiram do lugar que ele deve estar: a humildade do coração de Deus.
Acalmemos, amansemos o nosso coração, coloquemos nele a vacina da humildade. Assim, dia a dia, nosso fardo, nosso peso será leve como é o fardo de Jesus. Aprendamos com Ele, porque Ele é manso e humilde de coração.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

‪#minisermao (20/07/17)

A verdadeira religião é repousante. O rito bem celebrado é uma verdadeira terapia. Religião que estressa é idolatria. O mestre de Nazaré revelou que o coração dele é manso, humilde, acolhedor. E Ele disse: "Vinde a mim todos vós que estais cansados, carregando pesados fardos e Eu vos aliviarei." Em certa ocasião ele criticou os fariseus dizendo: "Vocês colocam pesados fardos uns nos ombros dos outros e depois vocês mesmos não tem coragem de carregar." Existe um modo doente de viver a religião, que é um modo estressante; uma religião pesada; uma religião que cansa. A verdadeira religião repousa.  (Mt 11,28-30‬)
Pe. Joãozinho, Scj.